5 Dicas para lidar com filhos pequenos agressivos

Menino com raiva, agressivo e com punho fechado, soco.


Muitos pais ficam preocupados quando os filhos pequenos (até 6 anos) começam a ficar agressivos. Mas, mesmo as crianças mais desafiadoras podem aprender a se acalmar. Para isso, os adultos devem ensinar maneiras construtivas de enfrentar ou evitar situações estressantes que sobrecarregam a capacidade da criança de se autocontrolar.

Crianças bem pequenas tendem a se movimentar, gostam de explorar o ambiente e testar seus limites. É nesses momentos que os pais devem ajudá-las, ensinando habilidades de autocontrole para que a exploração do mundo e o desenvolvimento de hábitos ocorram de forma saudável.

Nas últimas décadas, pesquisas mostraram que há uma relação entre problemas externalizantes (agressividade, destruição de objetos, xingamentos etc.) em crianças pré-escolares e o estilo de parentalidade (como os pais agem em relação aos filhos).

O que é Reforço Positivo e Reforço Negativo (Com Exemplos)

Você já ouviu esses termos e, muito provavelmente, já usou!

Mas você sabe realmente o que eles significam? Sabia que a maioria das pessoas entendem esses conceitos de forma ERRADA?


Reforço positivo e reforço negativo


Reforço, positivo ou negativo, é um dos conceitos da psicologia comportamental que foi apropriado pelo senso comum de forma um tanto equivocada. Os termos ganharam um significado diferente do seu significado original dentro da ciência do comportamento.

O impacto do TDAH no contexto educacional

O Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade pode impactar negativamente as diversas atividades que a pessoa realiza ao longo do dia, seja na escola, no trabalho ou mesmo no espaço doméstico.

A avaliação dos sintomas bem como das dificuldades vivenciadas por esses indivíduos é importante para um correto diagnóstico e tratamento. Tendo isso em vista, as pesquisadoras Ana Paula de Oliveira e Elizabeth do Nascimento, especialistas em avaliação psicológica, desenvolvem instrumentos cujo objetivo é explorar as consequências funcionais relacionadas ao transtorno.


As autoras escreveram um texto exclusivo para a página PsicoEdu, onde abordam as consequências do transtorno em sala de aula, da educação básica à graduação, e a importância do professor no diagnóstico e tratamento.

Acompanhe o texto abaixo!

  

Sobre o uso de conceitos: “Isso é Psicológico?”



Em conversas com educadores frequentemente ouço frases do tipo “não sei se é uma questão cognitiva ou se é uma questão psicológica”, ou “acho que não é só o comportamento, tem alguma coisa psicológica aí”.
           
Esses enunciados me causam certo incômodo. Afinal, o que é isso que estão chamando de psicológico?

20 Dicas: O que falar com as crianças ao invés de "Pare de Chorar!"



O choro da criança


O choro poder ser uma manifestação de diferentes estados emocionais, e não há receita pronta para os pais lidarem com o choro das crianças.

É claro que algumas crianças usam o choro como estratégia para fazer birra, para conquistarem algo que almejam ou rejeitarem o que lhes desagrada — elas aprenderam que, agindo assim, podem alcançar aquilo que lhes convém.

Entretanto, grande parte das manifestações do choro tem como motivação alguma vivência de sofrimento ou descontentamento que aflige a criança. Nesses casos, o choro tem como função a expressão dessa emoção.