Supervisão Ativa e Pré-Correção podem diminuir os problemas de comportamento na escola

Menina fazendo bullying com colega

Com a crescente ocorrência de incidentes comportamentais entre crianças e adolescentes, é exigido cada vez mais que as escolas se tornem muito mais proativas e assertivas em seus esforços para abordar e prevenir esses problemas. Esses esforços devem começar com o desenvolvimento e implementação de planos efetivos de administração e apoio escolar que servem de base para a produção de um clima escolar positivo, bom desempenho acadêmico e colaboração eficiente entre todos os membros da comunidade escolar. Além disso, os professores de sala de aula e outros profissionais da escola devem ter recursos e estratégias que lhes permitam prevenir e corrigir o comportamento dos escolares para que o ensino e a aprendizagem possam continuar sem riscos, interrupções ou adversidades.


Supervisão ativa e pré-correção são duas estratégias comportamentais preventivas para reduzir ocorrências de maus comportamentos no espaço escolar. Essas duas estratégias combinadas são utilizadas por professores e outros profissionais da escola, como monitores e auxiliares, para reduzir a ocorrência de comportamentos problemáticos durante o recreio, intervalos, hora do lanche, na entrada e saída da escola, e até mesmo durante a aula.


Pré-correção são ações dirigidas pelo educador que ocorrem antes que o estudante se envolva em uma situação que está associada à ocorrência de problemas de comportamento. O objetivo da pré-correção é, assim que identificada uma situação de risco, encorajar e envolver o aluno em um comportamento pró-social ou mais apropriado antes que o comportamento-problema de fato ocorra.

A pré-correção pode ser através de apoio verbal (por exemplo, reafirmação de um combinado ou descrição do comportamento desejado), apoio não-verbal (por exemplo, gesto ou modelo), disposição de oportunidade para praticar um comportamento mais apropriado ou recordação dos possíveis reforçadores associados a manifestação de comportamento apropriados.


como lidar com mau comportamento infantil na escola, prevenção correção


A supervisão ativa compreende três componentes. Primeiro, os professores ou monitores movimentam-se entre os alunos, visitam frequentemente os espaços mais problemáticos (áreas onde geralmente originam-se e manifestam-se os problemas), fazem a sua presença física ser notada e reconhecida, e vasculham o ambiente com frequência (procurando manifestações de comportamento apropriadas e inapropriadas). Em segundo lugar, os supervisores interagem com frequência com os alunos, tendo conversas amigáveis, fornecendo pré-correções e lembretes e ensinando comportamentos apropriados. Finalmente, os educadores que se envolvem em supervisão ativa fornecem reforços positivos frequentes para manifestações de comportamentos apropriados.



Uma boa dica para implementação dessas estratégias é treinar os monitores escolares para que eles tenham uma participação mais ativa junto aos escolares, por exemplo, durante os intervalos ou nos horários de entrada e saída. Quando nos corredores e pátio, o monitor deve variar sua posição e evitar ficar parado em um só lugar, movimentando-se entre os alunos, averiguando principalmente as áreas mais afastadas e procurando interagir mais com as crianças e adolescentes. Interações com os alunos envolvem cumprimentos com saudações verbais ou gestos, conversas breves, comentários sobre assuntos de interesse dos alunos, informes de quando estão violando regras e parabenizações quando estão cumprindo os combinados. Quando verificado o risco de um conflito, o monitor deve intervir antes de o confronto eclodir. Os monitores também podem fazer parcerias com os professores no manejo dos alunos, assim, por exemplo, quando a professora levar os alunos para a sala de vídeo o monitor pode interromper: “com licença professora, gostaria de lembrar aos alunos os combinados para o uso da sala de vídeo...”.




Para saber mais:


COLVIN et al. Using active supervision and pre-correction to improve transition behaviors in an elementary school. School Psychology Quarterly, 12, 344–363, 1997.
DE PRY e SUGAI. The Effect of Active Supervision and Pre-correction on Minor Behavioral Incidents in a Sixth Grade General Education Classroom. Journal of Behavioral Education, 11, 4, 255–267, 2002.
HAYDON et al. Using active supervision and precorrection to improve transition behaviors in a middle school classroom. Journal of Evidence-Based Practices for Schools, 13, 1, 81-94, 2012.
LEWIS, COLVIN e SUGAI. The effects of pre-correction and active supervision on the recess behavior of elementary studentsEducation & Treatment of Children, 23(2), 109-121, 2000.