A virtude da paciência genuína: crianças podem “tolerar a espera” mesmo sem recompensa?

por Eduardo de Rezende

Uma forte aversão ao tédio tem se destacado como uma das características marcantes da infância contemporânea. Nas inúmeras situações diárias onde a habilidade de ter paciência é demandada (a fila do mercado, a sala de espera do dentista, a demora do ônibus ou o tempo aguardando a hora de comer o bolo) enxergamos nas crianças a penosa tarefa de tolerar o angustiante vazio daquilo que foge do imediato.


É claro que nós adultos também nos incomodamos com a espera. Mas, o que nos separa da criança moderna é que nós, crianças de algumas décadas atrás, aprendemos a tolerá-la.

Paciência é justamente isso: a habilidade de tolerar a espera ou o atraso de gratificações. Ou seja, abrir mão do “eu quero agora” e assumir o “tudo bem, eu posso aguardar”.


Gratificação atrasada: pouco agora ou muito depois


Tarefas de atraso de gratificação são um dos principais métodos para o estudo do autocontrole dentro da psicologia, principalmente quando a pesquisa é realizada com crianças. A estrutura das tarefas nos testes é a mesma: as crianças devem escolher entre uma gratificação imediata ou abdicar dessa gratificação imediata para obter uma gratificação de maior valor no futuro.

Um dos estudos mais famosos na história da psicologia foi o Teste do Marshmallow, liderado pelo psicólogo americano Walter Mischel. Nesse experimento, as crianças recebiam um marshmallow e uma instrução clara: pode comer o doce agora ou esperar cinco minutos e comer dois doces. Os pesquisadores queriam saber o que a criança iria fazer e o que sua decisão dizia sobre sua personalidade e comportamento social.




Diferente dos testes tradicionais em psicologia onde alguma gratificação é sempre usada como recompensa para criança, em nosso ambiente natural nem sempre há recompensas para a paciência, nem opções de “menor recompensa agora” versus “maior recompensa depois”. Raramente uma mãe diz ao filho: “se você aguardar sua vez sem reclamar, você ganhará um doce de chocolate”. Claro, isso pode acontecer... e sei que acontece! Mas, sabemos que momentos de espera raramente são seguidos de recompensas artificiais. Quantas vezes você ganhou um doce ou dinheiro por aguardar numa fila?

Quando a tolerância da espera é seguida por uma recompensa artificial, dizemos que a paciência é um tanto quanto forçada, motivada pelo interesse na gratificação. Por outro lado, a habilidade de esperar na ausência de uma recompensa explícita é o que reconhecemos como paciência genuína, uma virtude demandada em muitas situações sociais diárias e, portanto, uma das habilidades que caracterizam a competência socioemocional de autocontrole.

A paciência parece ser uma importante característica do comportamento socialmente aceitável, em casa, na escola, no trabalho ou em outros espaços públicos. Apesar disso, a virtude da paciência genuína, livre de recompensas, parece não ter sido devidamente investigada e importantes aspectos do que realmente significa ser paciente não foram propriamente explorados nas pesquisas em psicologia.

Algumas pesquisas recentes têm, entretanto, preenchido essa lacuna com testes de “paciência pura” (ou seja, que não é seguida de recompensas explícitas). Nesses testes a criança é somente orientada a esperar, sem nenhuma expectativa de gratificação. Em um dos experimentos, crianças entre 3 e 4 anos, dispostas em diferentes salas, foram requisitadas pelo experimentador a aguardarem sentadas enquanto ele finalizava uns trabalhos que tinha a fazer. O experimentador sentava em outra mesa, colocava seus fones de ouvido e evitava interagir com a criança durante alguns minutos.

Os resultados da pesquisa mostraram que, em geral, as crianças passaram a maior parte do tempo esperando pacientemente, o que sugere que crianças, mesmo muito pequenas, são capazes de esperar pacientemente neste tipo de contexto.

Entretanto, é possível que as crianças tenham mostrado mais paciência que normalmente teriam porque o adulto estava na sala. A paciência parece ter um componente cultural (ou seja, uma expectativa social de que as pessoas sejam pacientes).

Será que as crianças se comportariam diferente conforme a presença ou ausência de outras pessoas na sala?

Para responder essa pergunta, um grupo de pesquisadores, liderados pelos mesmos autores do estudo anterior, realizaram outro experimento, cujos resultados foram publicados recentemente na revista científica Journal of Experimental Child Psychology. Os pesquisadores queriam saber também se haviam mecanismos compartilhados entre a paciência pura e a paciência com gratificação e de que forma as duas estão relacionadas com marcos do desenvolvimento cognitivo e social das crianças.

Um total de 47 crianças de 3 a 5 anos participaram da nova pesquisa, que avaliou a tolerância a espera com e sem recompensa, e com e sem a presença do adulto na sala. Um monitor reproduzia as imagens gravadas por uma câmera dentro da sala, permitindo observar o comportamento da criança nas situações em que o experimentador se retirava da sala.

Os resultados da pesquisa mais uma vez mostraram que comumente as crianças demonstram paciência mesmo sem recompensa, tanto na presença quanto na ausência do adulto na sala. A diferença está no tipo de comportamento apresentado pela criança enquanto espera: na presença do adulto, a criança permanece mais tempo estática, enquanto em sua ausência a criança tendia mais ao movimento, brincando e falando sozinha. Os diferentes comportamentos da criança enquanto espera são estratégias de autodistração que a ajudam na tarefa de esperar. A observação de que as estratégias de distração dependem do contexto (presença ou ausência do adulto) é consistente com o argumento de que o comportamento de paciência da criança é afetado pelas normas sociais ou de obediência, ou seja, a crença da criança de que o experimentador tem a expectativa que ela seja paciente.

O principal achado da pesquisa, entretanto, foi a observação de uma relação positiva entre as tarefas de espera pura e as tarefas de espera com recompensa. Ou seja, as crianças que foram mais pacientes em esperar nas tarefas com recompensa foram as mesmas crianças que também foram as mais pacientes nas tarefas sem recompensa. Segundo os autores da pesquisa, esta correlação entre os desempenhos nas duas tarefas mostra que os mecanismos subjacentes às duas condutas são compartilhados e que a motivação da criança em tolerar a espera, independente do contexto, parece estar relacionada a outras importantes habilidades cognitivas (como planejamento e resolução de problemas) e habilidades sociais (como cooperação e altruísmo).

Parece, portanto, haver uma ponte entre o comportamento de espera por recompensa e o comportamento de espera genuíno. Na verdade, podemos dizer que todo comportamento de paciência é seguido por uma recompensa, ou seja, é reforçado. A diferença é que algumas vezes este comportamento é reforçado por uma recompensa explícita, e outras vezes o comportamento é socialmente reforçado positiva ou negativamente, explícita ou implicitamente.

Pode-se sugerir que a virtude da paciência genuína pode ser aprendida mediada por gratificações artificiais e, posteriormente, torna-se natural como consequência da assimilação das expectativas sociais e normas culturais.



Para saber mais:


BARRAGAN-JASON e ATANCE. A new approach to measuring patience in preschoolers. Developmental Psychobiology, 59, 738-748, 2017.

BARRAGAN-JASON et al. Two facets of patience in young children: Waiting with and without an explicit reward. Journal of Experimental Child Psychology,  171, 14-30, 2018.

MISCHEL, SHODA e RODRIGUEZ. Delay of gratification in children. Science, 244, 933-938, 1989.