Pesquisa diz que acesso da criança a textos NÃO melhora habilidades de leitura, mas sim o contrário


por Eduardo de Rezende



A leitura está entre as mais importantes habilidades que proveem os alicerces para o sucesso escolar das crianças. Nas últimas décadas, diversas pesquisas mostraram a importância do desenvolvimento na pré-escola de habilidades cognitivas que antecedem a leitura, como consciência fonológica e conhecimento das letras.

Muitos estudos têm também investigado o impacto do acesso das crianças a materiais impressos fora da escola (livros, jornais, revistas, cartas, legendas e letreiros etc.) na aquisição da habilidade de leitura. É de entendimento comum que a prática da leitura através do acesso a textos é um ingrediente importante no desenvolvimento da leitura. Na maioria dos estudos, o acesso a textos tem sido associado positivamente com o bom desempenho na leitura (decodificação e compreensão do texto).

Entretanto, diversos pesquisadores têm questionado sobre a “direção” dessa associação, ou seja: as crianças que leem mais se tornam melhores leitores (acesso a textos → melhor leitura), ou são os melhores leitores que buscam acessar mais textos (melhor leitura → acesso a textos)?

Pesquisa mostra se estresse da mãe durante a gestação pode afetar a inteligência da criança

Pesquisadores não encontram evidências de que estresse materno na gestação impacta negativamente a inteligência da criança


Mãe gravida e filho na escola resolvendo contaA gestação é um período de arriscada vulnerabilidade onde, acredita-se, que a exposição da mãe ao estresse pode ter um grande impacto no desenvolvimento da criança em longo prazo. Entretanto, há poucos estudos formais que investigam as consequências deste impacto na inteligência da criança.

A criança que tinha vergonha (ou medo) de pedir desculpas

Por Eduardo de Rezende




Criança adora carimbo. Principalmente desses modernos, “automáticos”. Pra elas é brinquedo mágico, artefato curioso, quase sedutor.

Deixo o meu carimbo de psicólogo em cima da mesa porque estou sempre usando. Quatro a cada cinco crianças que se sentam à mesa lançam, sem cerimônias, o braço para alcançá-lo. Sem hesitar, começam logo a carimbar qualquer coisa que veem pela frente. Alguns saem da minha sala com o braço todo carimbado com meu nome (espero que os pais não pensem que sou eu que estou querendo fazer das crianças minhas propriedades).

Não me chame para conversar! — veja a estratégia desse aluno para passar de ano


Nessa semana viralizou nas redes sociais a foto de um aluno com um bilhete pregado às costas com a frase:

“NÃO ME CHAME PARA CONVERSAR. Quero passar de série! #FOCO”



A estratégia do estudante foi um sucesso na internet e já tem muitos pais e professores sugerindo a ideia para seus filhos e alunos.

Segundo educadores, a estratégia demonstra determinação do aluno e criatividade para controlar fontes de distração dentro de sala de aula.

E você, conhece alguém que está precisando de um bilhete desse?





"Mãe, eu quero..." — Veja como essa mãe incentiva a escrita do filho


Quer ajudar a incentivar o aprendizado de leitura e escrita do filho?

Essa mãe teve uma ideia inteligente.

Sempre que o filho de 5 anos pede para ela trazer coisas do mercado, ela pede para que o pequeno anote seus interesses num papel para ela não esquecer.

Em uma publicação na rede social, a mãe diz:



Aqui em casa tem incentivo da escrita sim. 
- Mãe vc vai no mercado? Quero que vc traga... E foi falando. 
Eu disse: 
- Eu não vou lembrar de tudo! Anota pra mim o que vc quer.
Ele anotou do jeitinho dele.




A mãe também publicou uma tradução da lista — aliás, o filho só tem 5 anos:


"Segue tradução da lista:
- Yakult,
- Farinha,
- Panetone,
- Sucrilhos (cereal), 
- Carne de porco,
- Feijão,
- Arroz,
- Suco,
- Leite,
- Nescau.
Ele tem 5 anos gente, tem como não amar?!?"