Professora faz desabafo em texto sobre Educação e adaptação em tempo de Pandemia


A professora Mariangela de Brito compartilhou esse texto nas redes sociais onde traz reflexões sobre a educação no momento que estamos vivendo.


EM TEMPO DE PANDEMIA, SENSIBILIDADE NA EDUCAÇÃO

Ao longo dos meus 20 anos na Educação, vivenciei a Pandemia do H1n1 (2009/2010), porém não recordo de tamanha repercussão.
Confesso que mesmo acompanhando pelos noticiários as informações assustadoras sobre o vírus Covid19 só fui me preocupar realmente após a suspensão das aulas. Ninguém suspende aula à toa, que dirá por tempo indeterminado...

E nesse furação chamado adaptação fui observando atitudes, percebendo situações e descobri que as salas de aulas estão vazias, mas os corações dos professores estão cheios de amor, paciência e dedicação.

O mundo conclui que o professor do século XXI não apenas transfere conhecimentos, a profissão professor oferece estratégias, cria diferentes maneiras e oportunidades para que o aluno desenvolva seu potencial e atinja o objetivo primordial no Processo Ensino-Aprendizagem: autonomia.
O ser professor não somente auxilia o aluno a resolver conflitos; ele planeja e sistematiza essa ação.

Vivendo no reinado do Dr. Google, surgiram dúvidas quanto à necessidade desta tão tradicional profissão e foi em meio a esse colapso que podemos afirmar que os Professores não serão substituídos pelas máquinas, assim como os atendimentos virtuais e telefônicos nunca ameaçaram a medicina.
Não há educação sistematizada sem o contato físico, a troca entre os pares, o olhar sensível ao outro... Essa interação e coletividade constroem o respeito mútuo; essa familiarização às ideias contrárias levam à reflexão e apropriação do conhecimento esquematizado.

Hoje o mundo inteiro procura maneiras para amenizar os estragos psicológicos que estamos sofrendo: pais, crianças, professores... São realidades tão distintas que não existe um método pronto para resolução da questão.
Escolas ofertam ensino remoto (educação a distância/ portal com atividades/ email/ vídeoaulas, vídeoconferência) outras insistem nas velhas apostilas impressas e livros conteúdistas para serem preenchidos com a dupla já conhecida por nós todos: lápis e borracha. NÃO EXISTE O CEM POR CENTO CERTO!

Nos cabe concluir que o Professor conhece sua clientela e aposte no que trará real desenvolvimento à ela, confiar que todos nós tenhamos sabedoria para lidar com esse momento inédito e sensibilidade ao olharmos para esses seres que anseiam pela ampliação dos seus saberes de modo integral.

__________
Texto de Mariangela de Brito Pereira Umehara, formada em Letras pela Faculdade de Ciências e Letras Don Domenico (Guarujá) e Pedagogia pela Universidade Metropolitana de Santos.
Professora da Rede Municipal de Itanhaem, já atuou na Gestão Escolar e na Rede Estadual de Ensino.





Compartilhar no WhatsApp


Compartilhar no Facebook