“Professores merecem mais respeito”, percebem pais depois de serem forçados a ensinar os filhos em casa



Nas últimas semanas tem havido intenso, e, às vezes, acalorado, debate sobre a decisão de muitas escolas e secretarias de educação de dar continuidade ao ano letivo através das aulas online.

Aulas online tem sido umas das consequências da pandemia da Covid-19 que mais provocou desentendimentos entre pais, professores e alunos. Em cada um desses três grupos, há aqueles a favor e os que são contrários; há aqueles que encaram como renovação da educação e aqueles que criticam; aqueles que tentam se adaptar e aqueles que já desistiram.

Todos têm lá seus motivos. Fato é que ter aula online é hoje uma realidade para centenas de milhares de crianças no Brasil. O resultados são professores exaustos — não tanto pela “quantidade” de trabalho, mas sim em consequência do “tipo de trabalho” que demanda muito mais esforço porque foge do habitual — alunos irritados porque certamente a maioria prefere fugir de qualquer esforço intelectual em ambiente doméstico, e pais ora dedicados, ora impacientes em ter de passar a lição com o filho. (Isso para não entrar no debate acerca das mensalidades das escolas particulares).

Embora estejamos vendo muito da indisciplina de sala da aula reproduzida também em ambiente virtual, indiferença de muitos pais e alunos desinteressados e às vezes até hostis com os professores, parece que outra perspectiva tem emergido na consciência de muitos pais e alunos que passaram a reconhecer a importância do papel do educador escolar.

Em poucos dias de aula em casa, muitos deles compartilharam parabenizações, pediram respeito e demonstraram o quão gratos são pelos professores. Não só pais, mas irmãos, primos e até os próprios alunos publicaram em suas redes sociais:





Quando percebem que "aprender a ler" é muito mais do que "juntar letrinhas":





"Sem paciência!"

















Tem até gente apelando para “São Paulo Freire”



Às vezes o reconhecimento vem depois de um momento de ira! (relevem as intenções de violência doméstica)













Tem irmão ralando em casa também...




E tem alunos olhando com novos olhos para seus professores!!
















Compartilhar no WhatsApp


Compartilhar no Facebook