9 Verdades e 1 Mentira na História da Psicologia | TESTE SEU CONHECIMENTO



Aproveitamos a brincadeira que viralizou nas redes sociais na última semana para testar seus conhecimentos sobre a história da psicologia, comportamento, transtornos, teorias do desenvolvimento e da aprendizagem.

Considere as afirmações listadas abaixo. Entre elas, NOVE são verdadeiras e UMA é falsa.

Comente qual você acredita ser a afirmação falsa, e explique o porquê.

Tente responder sem consulta!


1.    No Brasil, a Psicologia cresceu estritamente ligada à Educação. As primeiras aplicações da ciência psicológica foram no campo educacional e podemos dizer que, por aqui, a própria Psicologia se derivou da Psicologia da Educação. Muitos das primeiras gerações de psicólogos do país eram formados em Pedagogia, como, por exemplo, a psicóloga Carolina Bori, titular do registro nº01 do Conselho Federal de Psicologia.

2.    A história do behaviorismo no Brasil se desenvolveu a partir da chegada do americano Fred Keller, grande amigo de B.F. Skinner, para ministrar aulas em São Paulo e depois em Brasília. Hoje, o Brasil tem a segunda maior comunidade de behavioristas no mundo, perdendo só para os Estados Unidos.

3.    Atualmente nas pesquisas sobre cognição, entre as teorias construtivistas contemporâneas há destaque para o trabalho dos biólogos chilenos Humberto Maturana e Francisco Varela. Curiosamente, Jean Piaget também era biólogo por formação e dedicou muitos anos de sua juventude ao estudo de moluscos nos lagos da Suíça.

4.    O psicanalista naturalizado americano Erik Erikson foi o responsável por modernizar a teoria do desenvolvimento psicológico de Freud, atualizando a ideia de fases (oral, anal e fálica) para um quadro de referência mais abrangente com 8 estágios, que contemplava todo o ciclo de vida, delineando dimensões positivas e negativas para cada período.

5.    “Não considere nenhuma prática como imutável. Mude e esteja pronto a mudar novamente. Não aceite verdade eterna. Experimente!” — Essa é uma frase do psicólogo behaviorista B. F. Skinner.

6.    A psicóloga russa Bluma Zeigarnik desenvolveu pesquisas para investigar a memória e motivação em estudantes, descrevendo o fenômeno que ficou conhecido como Efeito Zeigarnik. Para ela, os alunos ficam mais motivados e, portanto, lembram-se melhor do conteúdo das aulas quando os professores usam reforçadores positivos em sala de aula, como elogios ou prêmios.

7.    Apesar do crescente prestígio da chamada Inteligência Emocional, alguns pesquisadores tem alertado para o "lado negro" desse constructo: pessoas muito inteligentes emocionalmente podem ser manipuladoras e ter comportamentos antissociais — características presentes em pessoas com traços psicopatas, por exemplo.

8.    A Síndrome de Irlen (ou Síndrome Escotópica Sensitiva) é um transtorno, descrito pela psicóloga Helen Irlen na década de 80, causado por um desequilíbrio de adaptação à luz que acaba produzindo alterações no córtex visual. Estas alterações provocam desajustes visuais, afetando, por exemplo, o desempenho da leitura. Enquanto muitos especialistas duvidam da existência desse transtorno, em alguns lugares, como no Piauí, o tratamento dos alunos diagnosticados com Síndrome de Irlen é previsto em políticas públicas do estado.

9.    Para Jean Piaget, uma necessidade provoca um reajustamento da ação. Essa ação se finda quando há satisfação da necessidade. Comer ou dormir são exemplos de satisfações que dão fim a condutas específicas desencadeadas por uma necessidade.

10. Apesar da clássica distinção entre Reforço positivo e Reforço negativo, na história recente do behaviorismo alguns autores propuseram que essa separação é desnecessária e deve ser abandonada. Uma das justificativas é que todo reforçamento é positivo e negativo ao mesmo tempo.


A afirmativa falsa é a número 6.