Ignorar pode ser um processo ativo: para se concentrar você deve “prestar atenção” no que te distrai

Menino mexendo no celular enquanto estuda

Nossa mente não é capaz de lidar com toda informação que recebemos do mundo. Por isso, precisamos de uma habilidade cognitiva muito importante chamada atenção.

A atenção é como um filtro que seleciona apenas as informações que nos são úteis em um dado momento. Quando você está estudando, a informação útil é, por exemplo, o texto no livro. O texto é o estímulo visual que deve ser “selecionado” para sua mente processar. Qualquer outro estímulo do ambiente que tira sua atenção do texto, é chamado de estímulo distrator — aquele que te distrai. A campainha que toca ou uma notificação do celular são exemplos de estímulos distratores.


Comumente, as pessoas podem acreditar que a única parte importante da atenção é a seleção (o processo de “selecionar” os estímulos certos). Aqueles estímulos que não são selecionados permanecem fora da atenção. Ou seja, ignorar estímulos não seria um processo ativo, mas apenas o efeito colateral de selecionar estímulos — o que não é selecionado é, obviamente, ignorado.

Mas, parece que não é bem assim.

Ao contrário do que se pensa, ignorar pode ser um processo ativo. É o que dizem pesquisas recentes em psicologia. Seleção e “ignoração” (ou supressão) são dois processos que fazem parte do sistema atencional.


Supressão passiva


Como dito acima, a atenção é como um filtro que seleciona determinados estímulos e ignora outros. Se você prestar atenção ao seu redor perceberá que há muitas fontes de estímulos que não lhe são importantes: o barulho do ar condicionado, os cachorros latindo, passarinhos cantando, ou a música que vem da casa ao lado. Muito provavelmente, esses estímulos não te distraem. Da mesma forma, sua visão captura estímulos visuais de toda a sala, mas a maioria desses estímulos passam despercebidos.

Esse é um tipo de filtro passivo. Por serem estímulos frequentes no ambiente que não oferecem informação relevante, nós automaticamente os suprimimos de nossa atenção num processo chamado “habituação”. Esse é um tipo de processo já bem conhecido e documentado dentro da psicologia e ciências do cérebro. A habituação não requer controle ativo e ocorre mesmo quando não há distratores definidos para a tarefa a ser executada.


Supressão ativa ou estratégica


Diferente da supressão passiva por habituação, psicólogos estão hoje descrevendo um novo tipo de processo de supressão — a supressão ativa ou estratégica.

O psicólogo Geoffrey Woodman e seus colegas de pesquisa foram uns dos primeiros a trazer evidências de que nós podemos estrategicamente ignorar distrações. Em seus experimentos sobre memória operacional, os participantes tinham um desempenho melhor quando sabiam que tipo de estímulos poderia distraí-los da tarefa. Na verdade, o desempenho era melhor quando o estímulo distrator aparecia do que quando ele estava ausente.

Esse tipo de supressão depende de controle ativo e, portanto, depende também da consciência da pessoa dos tipos de estímulos que podem distraí-la de seu objetivo.

Quando a pessoa tem consciência do que deve ser ignorado, é como se a presença do estímulo distrator durante a tarefa mandasse uma informação para o cérebro: "essa informação deve ser ignorada". Segundo os pesquisadores, saber o que não olhar ajuda a se concentrar na informação relevante.

Alguns pesquisadores criticam o trabalho da equipe de Woodman dizendo que esforçar-se ativamente para suprimir estímulos é uma tarefa difícil e cansativa, que só dá certo em tarefas curtas. Ou seja, quanto mais complexa e difícil é a tarefa, menos viável seria suprimir ativamente estímulos distratores.

Outros pesquisadores, no entanto, insistem que a supressão ativa é uma ótima estratégia na execução de tarefas do dia a dia.


Supressão reativa e supressão proativa


Joy Geng, psicólogo do departamento de psicologia da Universidade da Califórnia, diz, por exemplo, que na verdade passamos a maior parte do tempo suprimindo estímulos do que selecionando. Como quando vamos ao supermercado e ignoramos a maioria das mercadorias que não nos interessam.

Segundo o pesquisador, é comum que distratores prendam nossa atenção, podendo atrasar ou mesmo interromper nossa tarefa. Na nossa vida diária, a captura da nossa atenção por estímulos irrelevantes é inevitável, porque nem sempre podemos prever como serão, onde estarão ou quando aparecerão esses distratores. Assim, nossa eficácia em cumprir nossos objetivos depende do quão rápido o estímulo distrator pode ser suprimido e a atenção ser reorientada ao nosso objetivo.

Geng faz distinção entre dois tipos de supressão: reativa e proativa. A supressão reativa diz respeito à tentativa de se desfazer de estímulos distratores que já ocuparam sua mente. Quando um distrator inesperado captura sua atenção, ele pode ser rejeitado com o objetivo de retornar a sua tarefa principal. Esse é um processo mais lento que depende da avaliação do valor ou utilidade daquele estímulo para a execução da tarefa.

Já a supressão proativa é um processo preventivo e muito mais efetivo, pois impede rapidamente que o estímulo distrator interfira em sua tarefa. Entretanto, as características dos estímulos distratores precisam ser definidas antecipadamente. Assim, quando for executar uma tarefa, a pessoa precisa ter consciência do tipo de estímulo que pode distraí-la e manter-se ativamente atenta à sua ocorrência para poder ignorá-lo tão logo apareça.

Geng não deixa, entretanto, de concordar com os críticos que dizem que a supressão proativa é metabolicamente muito mais custosa e tem limitações práticas para seu uso. Além disso, existem diversos outros fatores que podem interferir no processo de atenção, como personalidade, inteligência, impulsividade, motivação e expectativa de recompensas.




Fonte:

Geng, J. J. (2014). Attentional Mechanisms of Distractor Suppression. Current Directions in Psychological Science, 23(2), 147–153.

Geng, Won e Carlisle (2019). Distractor Ignoring:  Strategies, Learning, and Passive Filtering. Current Directions in Psychological Science, online version, 1–7.

Woodman e Luck (2007). Do the contents of visual working memory automatically influence attentional selection during visual search? Journal of Experimental Psychology: Human Perception and Performance, 33(2), 363–377.

Arita, Carlisle, e Woodman, G. F. (2012). Templates for rejection: Configuring attention to ignore task-irrelevant features. Journal of Experimental Psychology: Human Perception and Performance, 38(3), 580–584.