Você não deveria se estressar com o tempo que seu filho passa em frente a telas durante a pandemia



Durante a pandemia, o tempo de tela das crianças não deveria ser uma de nossas preocupações. Isso é o que afirma o psicólogo norte-americano Mike Brooks, autor de livros de orientação parental.


Estamos em uma crise mundial no momento. Tudo bem que nossos filhos estejam gastando mais tempo em frente às telas. Direcione sua atenção para prioridades mais importantes. Isso não significa que você não deve estabelecer limites. Mas dê a si mesmo permissão para não se estressar com o tempo de exibição durante a crise. Você não precisa de mais estresse na sua vida agora.



A pandemia do COVID-19 está criando um enorme estresse para todos nós. Nossa resiliência está sendo posta à prova. A maioria de nós agora está sob algum tipo de isolamento social. As crianças estão em casa e usando "telas" (TV, smartphone, tablets, computador) mais do que nunca. Se você é pai ou mãe, pode estar se preocupando com quanto tempo que os filhos passam em frente às telas.

Mas segundo o especialista a recomendação é: não se preocupe!

Por que você não deve se preocupar com muito tempo na tela


O problema que estamos todos passando coloca nossas preocupações em perspectiva. No momento, muitos de nós lutamos para nos manter saudáveis, manter nossos empregos ou algum tipo de renda, pagar aluguel e ter comida suficientes.  Estamos no modo de sobrevivência, com uma lista de preocupações e nossa preocupação com o tempo de tela de nossos filhos deveria estar bem abaixo nessa lista.

É claro que se for possível, dentro de casa, a criança se entreter com outras atividades seria ótimo. Mas essa não deve ser “a preocupação”. Isso não significa total falta de controle. Ainda devemos usar o bom senso aqui.

Por exemplo, não é prudente permitir que uma criança de 6 anos assista a uma maratona de filmes de terror ou que vire a noite no YouTube. Há muitas opções de atividades de tela apropriadas para cada fase do desenvolvimento. Da mesma forma, permitir que as crianças assistam à Netflix por 16 horas por dia durante semanas a fio é um pouco excessivo. Se a escola do seu filho ficou on-line (Opa! Mais tempo de tela!), a criança ou adolescente ainda precisa fazer o trabalho escolar todos os dias e atender às outras necessidades básicas.

Quando o tempo excessivo da tela pode causar alguns problemas


Todos nós temos necessidades humanas básicas que devem ser atendidas, e o tempo excessivo na tela pode ser problemático quando começa a prejudicar essas necessidades básicas. Embora eu não ache que devamos nos preocupar com crianças com muito tempo na tela durante essa pandemia, ainda é provável que o tempo excessivo na tela possa causar alguns problemas.

Olhando para a hierarquia de necessidades de Maslow, ainda temos necessidades básicas de sono, nutrição e atividade física. Se o tempo da tela começar a prejudicar essas necessidades básicas, começaremos a pagar um preço em algum momento.

"Eu diria que, desde que atendamos às nossas necessidades físicas e psicológicas básicas, nós e nossos filhos provavelmente estamos indo bem", diz o psicólogo.

Conclusão


Estamos em uma crise mundial no momento. Tudo bem que nossos filhos estejam gastando mais tempo em suas telas. É mais apropriado direcionar nossa atenção para prioridades mais altas. Isso não significa que você não deve estabelecer limites. Garanta que eles durmam o suficiente, continuem com os trabalhos escolares e se exercitem. Misture alguns jogos de tabuleiro e de cartas, artes e ofícios, caminhadas e assim por diante. Mas dê a si mesmo permissão para não se estressar com o tempo de exibição durante a crise. Você não precisa de mais estresse na sua vida agora.



Compartilhar no WhatsApp