Por que você não consegue parar de assistir ao noticiário? — Ação, afeto e cognição

Homem vendo TV com controle remoto apontado para a tela

Nos últimos meses, em meio às convulsões sanitárias e psicológicas da pandemia, os seres humanos em todo o mundo foram pegos por outro tipo de avalanche — a sobrecarga de informações. De repente, muitos de nós são incapazes de desviar os olhos das telas. Estamos acompanhando os desdobramentos, lendo as novas interpretações e hipóteses, ouvindo possíveis soluções, debatendo as previsões.

Fazemos isso no mundo inteiro e, ao mesmo tempo, reclamamos que nosso ávido consumo de notícias está nos deixando malucos (ou, no mínimo, exaustos).

Mas afinal, que mecanismos estão por trás dessa sede insaciável de informações?

Segundo a neurocientista Tali Sharot (autora do livro "O Viés Otimista"), buscamos informações por causa do que acreditamos que as informações nos farão, e não do que elas realmente fazem. E tudo tem a ver com três motivos que direcionam nossa busca por conhecimento: utilidade, cognição e emoção. 

Por que os seres humanos são compelidos a buscar informações?


Existem três motivos diferentes para o motivo pelo qual os seres humanos buscam informações. Uma é a utilidade instrumental — as informações podem me ajudar? Com a pandemia, você pode estar pensando: "se eu conseguir mais informações, posso planejar melhor ou me proteger melhor".

O segundo motivo é a utilidade cognitiva — posso usar as informações para entender melhor o mundo? Em nossas circunstâncias atuais, a utilidade cognitiva é provavelmente uma das principais funções da informação. Há muita incerteza, e estamos tentando reduzi-la buscando mais informações. Embora, creio que as informações que estamos obtendo atualmente possam nos levar a experimentar ainda mais confusão e incerteza. Por exemplo, as opiniões conflitantes que ouvimos sobre adquirir imunidade contra o vírus. Portanto, mais informações podem estar afetando negativamente nossa cognição.

O terceiro motivo é o afeto — a informação pode me fazer sentir certas emoções? Por exemplo, você pode continuar assistindo as notícias com a esperança de ouvir algo bom, como uma nova vacina ou progresso em nossa luta contra o vírus. Mesmo se continuarmos decepcionados, continuamos a buscar informações, porque sentimos que finalmente receberemos boas notícias. É aí que entra o viés de otimismo.

Psicologia cognitiva os três motivos de buscar informações

Quais são os mecanismos cerebrais que direcionam toda essa busca de informações?


Há evidências de que o sistema de recompensa e a dopamina estão envolvidos na busca de conhecimento. Mas exatamente como isso funciona ainda permanece incerto. Uma hipóteses afirma que a informação é uma recompensa em si mesma, porque o conhecimento é sempre valioso. De acordo com essas teorias, qualquer tipo de informação (positiva, negativa ou neutra) será codificada em seu cérebro como recompensa, causando a liberação de dopamina e levando você a buscar mais informações. O que cientistas descobriram é que, quando se trata de sistemas de dopamina no mesencéfalo, apenas o conhecimento positivo é codificado como uma recompensa de ordem superior. Portanto, quando esses sistemas cerebrais codificam o valor da informação com base nesses três motivos, em média, o valor da recompensa será maior quando positivo.

A maneira como buscamos informações pode revelar algo sobre nossa saúde mental?


Pesquisas recentes mostram que as pessoas têm mais probabilidade de buscar informações quando consideram útil ou positivo, ou quando se trata de coisas em que costumam pensar.

Algumas pessoas são dominadas pelo afeto, outras pela ação, outras pela cognição. Acontece que esses três grupos diferem nos resultados de saúde mental. As pessoas mais resilientes são aquelas que buscam informações principalmente por causa da cognição. Em outras palavras, a busca de informações é amplamente motivada pelo desejo de entender o mundo ao seu redor. Em média, a pessoa permanece estável ao longo do tempo. Mas as pessoas mudam e as condições importam: se ela for colocada sob certas condições, ou se seu estado afetivo for alterado, isso pode mudar seu motivo de busca de informações.

A questão é se a busca de informações está causando transtornos mentais ou se transtornos mentais estão causando a busca de informações. A hipótese de pesquisadores é que seja bidirecional. A maneira como você busca informações provavelmente vai piorar algumas condições de saúde mental ou talvez até protegê-lo de certas condições. Mas também, se você já possui determinadas condições, ele pode direcionar seus padrões de busca de informações. Neste ponto, é tudo correlacional, no entanto, ainda não sabemos sobre como uma coisa causa outra.




Compartilhar no WhatsApp



Para saber mais:

SHAROT, T., e SUNSTEIN, C. R. (2020). How people decide what they want to know. Nature Human Behaviour, 1-6.