Aparelhos eletrônicos e Mídias digitais: recomendações para os pais


Em uma época onde as crianças crescem no mundo digital, é importante ajudá-las a desenvolver bons hábitos e aprender o uso adequado do espaço virtual e dos recursos eletrônicos disponíveis.

Pais e responsáveis tem um importante papel nesse aprendizado. Algumas recomendações podem ajudar os pais a mediar o uso das mídias digitais e dos aparelhos eletrônicos como TV, tablet, smartphone, computador e video-game. Os benefícios da tecnologia, quando usada moderadamente e de forma apropriada, podem ser grandes.




#1. Trate as mídias digitais como faria com qualquer outro ambiente da vida de seu filho


As mesmas orientações parentais se aplicam tanto em ambientes reais quanto em ambientes virtuais. Estabeleça regras: as crianças necessitam delas. Conheça os amigos de seus filhos, tanto online quanto offline. Saiba que sites, programas e aplicativos seus filhos estão usando, onde eles estão navegando na web, e o que eles estão fazendo quando conectados.



#2. Estabeleça limites e incentive outras brincadeiras


O uso de aparelhos eletrônicos, como qualquer outra atividade, deve ter limites razoáveis. Priorize atividades livres, longe de dispositivos digitais, principalmente para as crianças muito pequenas. Programe brincadeiras com jogos tradicionais, com bola ou corda, piques ou um passeio de bicicleta. Participe das brincadeiras sempre que for possível.



#3. Família que se diverte junto, também aprende junto


A participação da família também é importante nas mídias online: encoraja a curiosidade, a aprendizagem e interações sociais saudáveis. Busque jogos e programas educativos. Quando puder, faça uso do aparelho junto de seus filhos. É uma boa oportunidade de você introduzir e compartilhar, enquanto se divertem, suas perspectivas, orientações e experiências de vida.





#4. Dê bons exemplos


Lembre-se, as crianças são grandes imitadoras e aprendem com o que você faz. Ensine e seja o modelo de boas práticas. Limite seu próprio uso de aparelhos eletrônicos. Aproveite momentos do dia para se desconectar da internet e se conectar com seus filhos.



#5. Valorize a comunicação face a face


As crianças muito pequenas aprendem melhor através de uma comunicação de duas vias. Conversar com os filhos, falando, mas também escutando, dando a oportunidade de fala para as crianças, é uma atividade fundamental para o desenvolvimento da linguagem. Quando um dos pais estiver distante, no trabalho ou em viagem, os aparelhos eletrônicos podem ser aproveitados para conversas via áudio ou vídeo. As competências da linguagem se desenvolvem mais e melhor em atividades onde a criança tem oportunidade de falar do que em atividades passivas em que a criança é mero receptáculo de informação (como assistir TV).




#6. Programe e estabeleça momentos livres de eletrônicos


Mantenha os momentos de refeições da família, passeios ou encontros sociais e familiares livres de aparelhos eletrônicos. Não é recomendado dispositivos eletrônicos no quarto das crianças. Essas mudanças proporcionam maior tempo para as relações familiares, hábitos alimentares mais saudáveis e melhor sono, elementos fundamentais para o bem-estar das crianças.



#7. Não use eletrônicos como chupeta


Mídias digitais podem ser muito eficazes em manter as crianças calmas e tranquilas, assim como uma chupeta para os bebês. Mas os eletrônicos não devem ser a única maneira de aprender a se acalmar. As crianças precisam aprender como identificar e lidar com suas emoções e desconfortos. Converse com elas, proponha atividades para solução de problemas e encontre outras estratégias para canalizar fortes emoções.



#8. Escolha os programas e aplicativos certos


Se dispositivos como tablet e smartphone fazem parte do dia a dia de seu filho, aproveite para introduzir ferramentas úteis para seu desenvolvimento e aprendizagem. Centenas de aplicativos, jogos e vídeos educativos estão disponíveis no mercado e nas plataformas de download. Para avaliar e escolher os aplicativos mais apropriados para seu filho, você pode se guiar por categorias como idade, habilidades trabalhadas, tipos de mídia e recursos utilizados (jogos, vídeos, quadrinhos, narração de histórias, etc.).



#9. Tudo bem se seu filho adolescente está online


Interações e relacionamentos sociais online são hoje parte do desenvolvimento típico dos adolescentes. As mídias sociais podem servir como base para o jovem explorar o mundo e descobrir mais sobre si mesmo. Apenas certifique-se de que o adolescente está se comportando adequadamente em ambos os espaços, real e online. Muitos adolescentes precisam ser lembrados de que aquilo que ele faz no mundo virtual tem consequências, e seu comportamento (textos, imagens, vídeos compartilhados) deixa rastros — suas pegadas digitais. Esteja sempre aberto a comunicação para que seus filhos saibam que você está lá, caso eles tenham dúvidas ou preocupações.





#10. Lembre-se: Crianças são crianças, mas…


As crianças podem e vão cometer erros usando mídias digitais e aparelhos eletrônicos. Procure administrar essas situações com empatia e aproveitar os erros como um momento de aprendizado. Entretanto, a persistência de maus comportamentos online, como a prática do cyberbullying, ou participação em grupos e fóruns ilegais, pode acender o sinal vermelho. Os pais devem estar atentos ao comportamento dos filhos e, se necessário, recorrer à ajuda profissional especializada.