CID F90: TDAH, TDA, DDA ou Transtorno Hipercinético?



Classificação nos manuais de diagnóstico
CID 10 – Transtorno hipercinético: F90.0 / F90.1
DSM 5 – TDAH: 314.00 / 314.01


- O médico do meu filho escreveu no laudo: "CID F90". Afinal o que significa isso?

CID F90 é o código dentro da classificação internacional de doenças referente ao Transtorno hipercinético ou Transtorno do Déficit de Atenção/ Hiperatividade (conhecido pela sigla TDAH).

Apesar do código ser o mesmo, ou seja F90, é comum nos depararmos com textos que apresentam diferentes termos para se referir à categoria diagnóstica do Transtorno de Déficit de Atenção/ Hiperatividade. Essa variedade de siglas pode ser motivo de confusão para o público leigo.

Afinal, qual é a sigla certa: é TDA, DDA, TDAH, TDA com ou sem H?



cid tdah, transtorno hipercinético, cid f90.0, sigla, dsm, tda ou dda, hiperatividade, hiperativo, o que é, qual é, tdah sigla, tda dda diferença, cid f90







Todos os termos estiveram em algum momento corretos. Entretanto, na nomenclatura médica atual são oficialmente reconhecidos os termos TDAH (DSM-V, 314) ou transtorno hipercinético (CID-10, F90). TDA ou DDA são termos desatualizados.

Veja o quadro resumido no final do texto!


Primeiro, temos que lembrar que os nomes de doenças, síndromes, transtornos mentais e do comportamento são rótulos que variam ao longo da história da medicina.

Atualmente, são dois os principais textos que usamos como referência para organizar, classificar, nomear e diagnosticar os transtornos:

1. O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais DSM (da sigla em ingês de Diagnostic and Statistical Manual), que atualmente está em sua 5ª edição, DSM-V;
2. A Classificação Internacional de Doenças CID, atualmente em sua décima edição, CID-10.


Na história do desenvolvimento do conceito de TDAH, foram vários os nomes apresentados em artigos e manuais.


Para saber mais sobre a história do conceito do TDAH, leia: A história do TDAH que você não conhecia.


A primeira descrição do transtorno foi feita pelo médico inglês George Still, em 1902. Por isso, o transtorno ficou conhecido também como Doença de Still, ou "defeito do controle moral", segundo as palavras do médico. Em 1932, os médicos alemães Franz Kramer e Hans Pollnow usaram o termo Doença hipercinética da infância.


O termo hipercinético é sinônimo de hiperatividade, ambos dizem respeito ao excesso (hiper-) de movimento (-cinético / -atividade). Você se lembra das aulas de física? Energia cinética: aquela que está relacionada com o estado de "movimento" de um corpo.



A inclusão do transtorno no DSM


Quando foi incluído pela primeira vez no DSM, na 2ª edição de 1968, o transtorno apareceu com o nome de Reação hipercinética da infância. Já em 1980, no DSM-III, foi renomeado para Transtorno do Déficit de Atenção (TDA) com ou sem hiperatividade. Nessa época, a CID-9 utilizava o nome síndrome hipercinética.


Veja que no original, em inglês, o transtorno foi denominado de Attention Deficit Disorder. O termo “disorder” pode ser traduzido para o português como transtorno ou como distúrbio. Por isso, há traduções onde encontramos o termo Transtorno do Déficit de Atenção (TDA) e outras onde encontramos Distúrbio do Déficit de Atenção (DDA). Ambos os termos se referem à mesma categoria.


Nessa classificação do DSM-III de 1980, estavam incluídos dois tipos diferentes do transtorno: Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDA + H) e Transtorno do Déficit de Atenção sem Hiperatividade (só TDA, sem H). Para os teóricos da época, a hiperatividade não era uma característica essencial do transtorno. A ênfase foi deslocada para a desatenção, que podia ocorrer com ou sem hiperatividade.

Entretanto, quando o DSM-III foi revisado, em 1987, não havia evidências científicas de que os dois tipos deveriam ser considerados como duas categorias distintas. Logo, a formulação dos dois subtipos foi removida e a categoria foi renomeada para Transtorno do Déficit de Atenção/ Hiperatividade.

Desde 1987, portanto, TDA (ou DDA), TDA com H e TDA sem H são termos desatualizados.




TDAH a partir de 1994


Em 1994, com a publicação do DSM-IV, reconheceu-se que o TDAH podia se manifestar com a predominância de uma das características ou de forma combinada. Assim, a classificação do transtorno passou a ser apresentada com três subtipos:

1. TDAH predominantemente desatento
2. TDAH predominantemente hiperativo/impulsivo
3. TDAH combinado (desatenção + hiperatividade/impulsividade)

Veja que, diferente da classificação do DSM-III, não há distinção entre com ou sem hiperatividade. Todas as apresentações são denominadas TDAH, apenas dá-se ênfase para a predominância de uma ou outra característica. Essa classificação foi mantida na atual edição do DSM, publicada em 2013 (DSM-V).

A edição atual da Classificação Internacional de Doenças, CID-10 de 1993, manteve a nomenclatura de Transtornos hipercinéticos para um grupo de transtornos que inclui a Perturbação da atividade e atenção e outro tipo quando há associação com comportamentos antissociais, denominado Transtorno de conduta hipercinética. Comumente, os diagnósticos desse grupo com base na CID-10 se resumem a Transtornos hipercinéticos.



Veja o quadro resumido:


Ano
Manual
Nome
1968
DSM-II
Reação hipercinética da infância
1980
DSM-III
TDA (ou DDA) com ou sem H
1987
DSM-III-R
TDAH
1994
até hoje
DSM-IV
TDAH com três subtipos:
- combinado
- predominantemente desatento
- predominantemente hiperativo/ impulsivo
DSM-IV-TR
DSM-V
CID-10
Transtornos hipercinéticos (F90)