Pesquisa traz evidências de que programa Bolsa Família está associado à redução de suicídios no Brasil


por Eduardo de Rezende
25 de novembro 2018

É de conhecimento científico que fatores econômicos e sociais podem desempenhar um importante papel nas causas de suicídios. Muitos estudos já relataram a associação do suicídio com piores condições econômicas, desigualdade ou mudanças bruscas de renda e desemprego.

Sabe-se que a pobreza está associada à saúde mental e que a saúde mental está associada ao suicídio. Assim, os pesquisadores apontam essa associação indireta como o mecanismo causal que explica a ligação entre pobreza e suicídio.




Se por um lado, a associação entre suicídio e fatores socioeconômicos tem sido bem documentada em diversos estudos, por outro lado, os estudos também têm encontrado uma associação inversa entre os gastos públicos em políticas sociais e a mortalidade por suicídio em países da Europa e nos Estados Unidos — ou seja, quanto maior o investimento em políticas sociais, menor o número de mortes por suicídio.

Considerando que a pobreza e a desigualdade de renda podem impactar as taxas de suicídio, supõe-se que as ações focadas na redução da pobreza, como programas de transferência de renda, podem também afetar essas mesmas taxas.

Uma pesquisa publicada na semana passada na revista científica Social Psychiatry and Psychiatric Epidemiology, investigou o impacto do programa de transferência de renda Bolsa Família nas taxas de suicídio na população brasileira.


Resultados da pesquisa

Os resultados do estudo, que acompanhou mais de 5 mil pessoas ao longo de 9 anos, mostraram que um aumento na cobertura do programa Bolsa Família foi associado a uma redução nas taxas de suicídio nos municípios brasileiros.

Além disso, os pesquisadores observaram que esse efeito aumentou quando a cobertura do programa foi mantida por vários anos.

Os pesquisadores concluíram que a transferência de renda pode sim atenuar os efeitos da pobreza, melhorando a saúde mental e, consequentemente, reduzindo o suicídio. Segundo os autores da pesquisa, os programas de transferência de renda não apenas reduzem a pobreza, mas também têm sido associados a outros fatores que influenciam o comportamento suicida, como a redução dos sintomas de depressão e a percepção de esperança e otimismo entre os beneficiários do programa.




Referência bibliográfica:

Alves, F.J.O., Machado, D.B. & Barreto, M.L. Effect of the Brazilian cash transfer programme on suicide rates: a longitudinal analysis of the Brazilian municipalities. Social Psychiatry and Psychiatric Epidemiology, 2018.