Você conhece uma criança muito sensível? Pode ser o "efeito colateral" da Empatia



Empatia é a capacidade de entender o que outra pessoa pode estar sentindo e, em seguida, sentir a mesma coisa (ou algo semelhante).

O primeiro componente – a capacidade de entender o que outra pessoa pode estar pensando ou sentindo – é algo que se desenvolve lentamente. Começa na infância e continua até os anos pré-escolares. Primeiro, os bebês adquirem a capacidade de entender que as pessoas têm intenções que normalmente orientam suas ações. Há evidências de que os bebês podem agir com base na dedução da intenção de outra pessoa em cerca de 14 a 18 meses.

Pesquisas mostram, por exemplo, que bebês dessa idade se esforçam para ajudar um adulto que mostra sinais de problemas para realizar uma tarefa. Por volta da mesma idade, os bebês também tentarão confortar suas mães se elas parecerem chateadas. No entanto, uma capacidade mais sofisticada de raciocinar sobre os pensamentos dos outros, o que os psicólogos chamam de "teoria da mente", não se desenvolve completamente até os 5 ou 6 anos de idade. As crianças dessa idade podem entender que outra pessoa pode acreditar em algo que não é verdade, ou que eles possam expressar uma emoção e sentir outra.

Infelizmente, a empatia pode ter alguns "efeitos colaterais". Por exemplo, o segundo componente – sentir a mesma coisa que alguém está sentindo – pode causar algum desconforto emocional que pode se transformar em sofrimento pessoal. De fato, crianças que são mais propensas a sentir empatia são aquelas que também são mais propensas a sentir emoções negativas. Em termos populares: crianças que são mais sensíveis podem experimentar mais emoções negativas por causa de uma grande preocupação empática pelos outros.

Maior empatia significa absorver também sentimentos negativos dos outros.

Outra desvantagem da empatia, apontada por pesquisas, é que não a distribuímos exatamente de maneira uniforme. De fato, é mais provável que muitos de nós sintamos empatia pelas pessoas que são como nós - membros de nossa família, comunidade, raça ou etnia. Além disso, a empatia pelos membros do grupo pode até resultar em menos empatia com os membros do grupo externo, o que pode até abrir a porta para o racismo e a xenofobia.

Independentemente dessas possíveis desvantagens, a empatia é uma coisa boa na maioria dos casos. De fato, geralmente é considerada uma emoção pró-social, pois a experiência da empatia está associada a comportamentos pró-sociais, como ajudar ou compartilhar.

Em geral, a empatia está associada a relacionamentos sociais saudáveis, amizades íntimas, cooperação e até sucesso escolar. Na adolescência, as emoções morais são os maiores preditores de escolha moral, como escolher se deve ou não enganar ou roubar. Além disso, a empatia está associada negativamente ao comportamento de bullying, pois as crianças que demonstram mais empatia têm menos probabilidade de intimidar seus colegas e têm maior probabilidade de intervir quando veem alguém sendo intimidado.

Precisamos de empatia! Ela nos permite relacionar-nos com outras pessoas, considerar seus sentimentos e nos motiva a ajudar. De fato, em um clima político em que o mundo todo parece estar dividido, a empatia pode ser mais importante do que nunca.

Em seu novo livro, The War for Kindness (obra ainda sem tradução em português), o autor Jamil Zaki argumenta que a empatia é algo que podemos escolher, algo que podemos cultivar. Para os adultos, imaginar se colocar no lugar de outra pessoa pode nos ajudar a tomar decisões mais gentis e empáticas. Além disso, o contato com pessoas diferentes de nós também pode nos ajudar a nos comportar de maneira mais empática em relação às pessoas que normalmente não se destacam. Pesquisas sugerem que mesmo a leitura de romances de ficção pode ajudar com a capacidade de nos colocar na mente dos outros e incentivar a empatia.

Além de nos ajudar a nos comportarmos com mais empatia, também existem algumas coisas que os pais podem fazer para incentivar a empatia em seus filhos. Se você tem um filho que tende a ser um pouco sensível ou já está em sintonia com as emoções dos outros, talvez não precise fazer muito para incentivar a empatia (talvez você precise gastar mais tempo trabalhando com a preocupação ou a culpa dela ao ver uma pessoa sofrendo ou sofrendo). Mas para outras crianças, conversar com elas sobre suas emoções e as emoções dos outros pode ajudar.

De fato, os pais que conversam com seus filhos sobre suas emoções têm filhos com maior empatia e se comportam de maneira mais pró-social. Uma relação segura, calorosa e receptiva entre pais e filhos também está relacionada à empatia. De fato, alguns pesquisadores sugeriram que os pais podem ser capazes de modelar a empatia por seus filhos, portanto, promover um ambiente empático em casa pode gerar filhos mais empáticos e mais gentis.