“Não é hora de criar alternativas improvisadas” desabafa pai de menina de 5 anos sobre estratégias adotadas pelas escolas




Pai de menina de 5 anos faz desabafo nas redes sociais contra aulas online e critica estratégias adotadas em escolas de Educação Infantil

Veja a publicação no facebook:




Tenho pena da minha filha. E aqui segue o desabafo de um pai triste e preocupado com práticas adotadas pelas escolas diante da pandemia de coronavírus.
.
Uma criança de cinco anos, que ainda nem foi alfabetizada, é obrigada a sentar diante de um computador num homeschooling imposto na marra.
.
O mesmo sentimento de tristeza tenho ao ver meu filho de nove anos diante de uma enxurrada de vídeos amadores, desprovidos de estratégia para captar atenção e contribuir com o aprendizado, e debruçado em atividades feitas para sala de aula e que estão sendo enviadas como se fossem algo revolucionário para homeschooling.
.
Senhores diretores, educadores, pedagogos, especialistas...vocês sabem que o mais importante em momentos de turbulência é garantir o equilíbrio emocional das crianças, conversar sobre a mudança abrupta na rotina delas, explicar os motivos de ficarem trancafiadas em casa. Dar segurança.
.
Tudo isso, por si só, já é um desafio imenso, ímpar, para os pais e tenho certeza que para as escolas também.
.
Não é hora de criar alternativas improvisadas na tentativa de garantir um vínculo com a escola - vai dar errado. Criaremos crianças traumatizadas.
.
Nenhum aprendizado vai ser bem sucedido num contexto em que as crianças estejam fora da sua rotina normal.
.
Não é a simples realização de tarefas diárias enviadas pela escola que vai assegurar o desenvolvimento das crianças.
.
Homeschooling não se cria da noite para o dia. Requer método. Requer planejamento. Requer integração entre família e escola. Requer um plano pedagógico específico.
.
Empurrar para nossos lares tarefas elaboradas para uma aula presencial na escola, supervisada por professores capacitados, está longe de ser "ensino a distância".
.
Sou amante da tecnologia e de tudo que ela pode nos oferecer. Desde que seja usada com inteligência, em prol do desenvolvimento coletivo. E não de qualquer jeito apenas para justificar mensalidades pagas!
.
Pensemos em nossas crianças! Elas não merecem essa sobrecarga emocional.

———————

EDITADO - Nota do autor

Tenho enorme apreço aos professores. Sou filho de professora. Minha mãe tem 61 anos, dos quais 45 dedicados à educação. Vocês e nós, pais, somos vítimas desse tsunami. Assim como as crianças e as escolas. O que precisa, e urgente, na minha opinião, é uma gestão escolar mais eficiente, uma visão de planejamento maior por parte daqueles que administram nossas escolas - públicas ou privadas. E acima de tudo um entendimento de que o ensino à distância vai funcionar (estruturado) para uma determinada faixa etária. E não para a outra (os menos favorecidos, por exemplo). Nenhuma tecnologia vai substituir a importância do contato físico no processo cognitivo. E vou além: quantas pessoas têm acesso à tecnologia? Quantos têm acesso a internet? Quantos têm computador? Num país onde muitos precisam da escola para fazer uma boa refeição, muito além de estudar, o EAD se torna ainda mais desafiador. Os professores merecem estar na lista de prioridades na hora da implementação dessas ferramentas, recebendo treinamento adequado. Não apenas serem informados que têm de gravar vídeo ou realizar tarefas para casa. Desejo força a vocês nessa árdua missão. Meu eterno apreço. 
🤗





Compartilhar no WhatsApp


Nota do administrador da página PsicoEdu:



Não tem lado certo e errado . O processo de desenvolvimento se dá por assimilação e acomodação. Novas demandas e novas informações causam um desequilíbrio nas estruturas previamente estabelecidas. Posteriormente as estruturas se acomodam, se adaptam para dar conta dessas novas demandas. . Estamos vivendo hoje um momento que novas informações ainda estão sendo assimiladas e pouco a pouco serão acomodadas em um novo jeito de fazer educação. . Não é uma guerra entre escola e família, pais e professores. Nem disputa entre o certo e o errado. Mas sim um debate necessário para o momento — cada lado mostra o que está dando certo e o que pode ser melhorado. Cada um sabe dos próprios sacrifícios e esforços investidos nessa missão. No fim, o objetivo é o mesmo: educação de qualidade! _ #psicologiaescolar #psicologiadaeducação #psicopedagogia #educaçãoespecial #psicopedagogiaclinica #psicologiainfantil #clinicainfantil #autismo #tdah #pedagogia #pedagogiaporamor #educaçãoinfantil #ensinomedio #professores
Uma publicação compartilhada por Psicologia e Educação (@psico_edu) em