Adolescentes com pais controladores têm maior dificuldade para desenvolver competências necessárias para a vida adulta

Eduardo de Rezende
01 de julho de 2020


Mesmo quando a intenção dos pais é orientar e proteger, o controle exagerado pode prejudicar profundamente o desenvolvimento dos filhos. Uma das piores maneiras de exercer controle sobre os filhos é através de manipulação e disciplina rigorosa. Uma filha já adulta, por exemplo, pode ter baixa autoestima e autonomia prejudicada em consequência de controle psicológico exercido pela mãe durante a infância ou adolescência.

Uma pesquisa publicada recentemente acompanhou quase 200 adolescentes dos 13 anos até a maioridade, por cerca de vinte anos, para avaliar o impacto do controle parental sobre a adaptação à vida adulta.

Os resultados da pesquisa mostraram que o controle psicológico de pais sobre os filhos adolescentes tem como consequência diversos prejuízos ao longo dos anos, incluindo déficits em relações sociais com os pares, sintomas depressivos, dificuldades em relações amorosas, baixo desempenho acadêmico e imaturidade para a vida adulta ­─ ou seja, não desenvolvem competências necessárias para uma vida adulta independente.

Segundo os autores, a pesquisa mostrou que o controle dos pais pode alterar persistentemente o desenvolvimento dos filhos durante bastante tempo. Isso acontece porque o comportamento controlador dos pais nos filhos adolescentes leva a uma série de eventos em cascata ao longo dos anos, como  peças de dominó derrubando uma a outra. Assim, mesmo que já na maioridade os pais não exerçam mais domínio presencial sobre os filhos, as consequências persistem.

Além disso, crenças e expectativas desenvolvidas nas relações com os pais permanecem com a pessoa na vida adulta, orientam seus comportamentos e determinam seus sentimentos em relação ao mundo e a si próprio.

Os pesquisadores também explicam que esses jovens tem dificuldades crescentes em equilibrar internamente as necessidades e perspectivas próprias e a dos outros, uma vez que, devido ao controle externo exercido pelos pais, não tiveram a oportunidade de aprender a se autorregular.




Compartilhar no WhatsApp


Compartilhar no Facebook




Referência:

Loeb, E.L., Kansky, J., Tan, J.S., Costello, M.A. and Allen, J.P. (2020). Perceived Psychological Control in Early Adolescence Predicts Lower Levels of Adaptation into MidAdulthood. Child Development [versão online].