20 Dicas: O que falar com as crianças ao invés de "Pare de Chorar!"



O choro da criança


O choro poder ser uma manifestação de diferentes estados emocionais, e não há receita pronta para os pais lidarem com o choro das crianças.

É claro que algumas crianças usam o choro como estratégia para fazer birra, para conquistarem algo que almejam ou rejeitarem o que lhes desagrada — elas aprenderam que, agindo assim, podem alcançar aquilo que lhes convém.

Entretanto, grande parte das manifestações do choro tem como motivação alguma vivência de sofrimento ou descontentamento que aflige a criança. Nesses casos, o choro tem como função a expressão dessa emoção.




Quando os pais ordenam a criança a parar de chorar, o sentimento é represado e, lá dentro, continua a causar mal-estar a ela. Além disso, na criança que não consegue lidar com esse mal-estar, o sentimento transborda e ela frequentemente volta a chorar.

O "pare de chorar!" é pouco eficiente no que se propõe.

Se a criança está chorando, o objetivo dos pais ou professores é buscar meios de permitir que a emoção continue a ser descarregada, mas por outras vias além do choro. Preferencialmente por meio de palavras — assim a criança aprende a comunicar seus sentimentos de forma clara.

O educador precisa descobrir o que deixa a criança mais segura para se expressar. Isso acontece, por exemplo, quando a criança percebe que o adulto realmente está disposto a escutá-la. Assim, a criança não só consegue se expressar como também se sente mais conectada ao educador, seja pai ou professor.




O que fazer quando a criança está chorando?


Aqui estão algumas dicas para você demonstrar a criança que ela está segura e que você está disposto a escutá-la:

Frases abertas para reconfortar a criança:

#1. Estou bem aqui com você agora.
#2. Eu estou vendo que você está muito chateado.
#3. Eu estarei aqui com você enquanto você estiver chateado.
#4. Sinto muito por isso ser tão difícil.
#5. Você está seguro agora, não vou a lugar algum.
#6. Não há nada mais importante do que estar do seu lado agora.
#7. Estou aqui para te ouvir.


Não tente disfarçar ou desviar do assunto! Destaque os fatos que motivaram o choro:

#8. Sinto muito por você não ter podido... (ir à festa de seu colega/ participar do jogo).
#9. Sei que você realmente queria... (aquele brinquedo/ que papai ficasse em casa hoje).
#10. Aquilo (cachorro/ briga etc.) realmente te assustou, não é?


Em caso de lesões físicas:

#11. Onde está doendo?
#12. Vamos dar uma olhada no seu machucado.


Escute a criança, mas mantenha os limites da situação:

#13. Eu realmente não posso deixar você... (brincar com isso/ ir para aquela festa).
#14. Eu entendo, mas preciso que você... (coloque o casaco/ termine sua lição de casa).


Traga esperança para a situação:

#15. Você vai ter mais disso novamente em breve
#16. Eu sei que você vai resolver isso tudo
#17. Mamãe estará de volta mais tarde
#18. Tenho certeza que você ainda pode se divertir com isso
#19. Você ainda pode... (usar o outro tênis/ brincar com o outro brinquedo)
#20. Isso não vai ficar assim para sempre.


Leia também: Por que não devemos usar "por quê" com as crianças?